Por que, porque, porquê ou por quê?

Por que há tantas regras gramaticais?
Porque a língua precisa de sistematização!
Você ainda tem medo de aprender por quê?
O porquê eu não sei, mas estou disposta a tentar!

Se você sempre tem dúvidas quanto aos usos dos “porquês”, esse post foi feito para você! Leia até o final e entenda de uma vez por todas quando usar cada um deles…
1ª dica: 4 tipos de “porques”

Existem quatro formas de escrever “porque” e somente uma delas vai para o plural (como você vai ver 4ª dica). Para facilitar a memorização, vamos dividir essas formas em dois grupos. Há dois “por que” que são escritos separadamente, ou seja, são formados pela preposição “por” e pelo pronome “que”. Um deles recebe acento circunflexo (por quê) e o outro não (por que). Há dois “porques” que são escritos juntos: um deles tem acento (porquê) e o outro não (porque).

2ª dica: 2 grupos – perguntas e respostas

Esses dois grupos de “porques” são usados para duas situações diferentes: perguntas e respostas. Uma forma muito simples de memorizar os dois tipos é saber que: o “por que” separado é usado em perguntas e o “porque” junto é usado em respostas.

3ª dica: Ponto de interrogação

O ponto de interrogação “atrai” o acento (essa é só uma forma de memorização, tá?). Se o ponto de interrogação é usado em perguntas, você já sabe que só pode usar o “por que” separado em perguntas. Logo, se o ponto de interrogação vem logo depois do “por que”, ele é escrito separado e com acento. Por exemplo:

Você ainda tem dúvidas por quê?

4ª dica: Artigo definido “o”

O artigo definido “O” também funciona como um atrativo para o acento circunflexo. Se “porque” tiver o sentido de “o motivo, a razão”, ele já é uma resposta, uma explicação, então é escrito junto. Se couber um “o” antes dele, por exemplo, “não entendo o porquê da sua dúvida”, você deve usar o acento!
Como foi dito no início desse post, esse é o único caso de “porquê” que vai para o plural, no sentido de “os motivos, as razões”, ou seja, “os porquês”.

5ª dica: Início de frase

No início de frase, o “porque” nunca tem acento, não importa o teor da frase. Se a frase for uma pergunta e o “por que” vier no início, você vai usar o “por que” separado e sem acento. Por exemplo:

Por que você ainda tem dúvidas de gramática?

Se a frase for uma resposta e o “porque” vier no início, você vai usar o “porque” junto e sem acento. Por exemplo:

Porque acho muito difícil…

Espero que essas dicas tenham te ajudado a entender melhor o uso dos porquês.
Se ficou alguma dúvida, deixe seu comentário que logo iremos te responder!

Fernanda Massi é Mestra e Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP/Araraquara e Pós-doutora em Linguística Aplicada pela UNICAMP. Foi professora de Leitura e Produção de Textos na UNESP/Araraquara e na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), tendo orientado trabalhos de conclusão de curso e de iniciação científica. Trabalha com revisão de texto desde o início da sua graduação em Letras, em 2004, e já revisou inúmeros trabalhos de diversas áreas. É também a responsável pela equipe de revisão da Letraria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Professora lança livro de contos escritos por seus alunos!
Alunos lançam livro bilíngue em Mostra Cultural!
Menu